Eliminar as manchas antes da praia

Eliminar as manchas antes da praia

Os dias de sol e calor não têm sido em abundância, mas não devemos descurar os cuidados com a pele. A radiação ultravioleta emitida pelo sol é uma realidade e temos de precaver as manchas escuras da pele, sobretudo na face. Afinal, todos associamos uma face bonita e saudável a uma pele lisa, aveludada, macia e sem manchas.

Dermatologista Clínica de Dermatologia do Areeiro

As manchas escuras correspondem, habitualmente, a depósitos aumentados de melanina, o pigmento produzido por células especiais – os melanócitos – nas camadas superficiais da pele (epiderme), que tem como função principal proteger os núcleos das células da energia excessiva emitida pelo sol. É, portanto, fácil perceber que quanto maior for a intensidade da radiação ultravioleta do sol, maior será a quantidade de pigmento produzida pelos melanócitos.
Para além do sol, outras situações podem induzir manchas escuras na pele, como irritações (eczemas), inflamação da acne, cicatrizes, comichão crónica localizada, alterações hormonais (gravidez, doenças da tiroide ou outras glândulas, melasma, etc), tumores, medicamentos, doenças fotosensibilizantes (tornam a pele mais vulnerável aos raios ultravioletas do sol), produtos fotosensibilizantes tópicos (perfumes, sumo de lima, entre outros) e tratamentos cutâneos agressivos (LASERPeelings médios). É essencial distrinçar quais os fatores implicados e, para isso, deve ser feita uma avaliação em consulta médica especializada de dermatologia. Poderão ser necessárias análises para excluir doenças e perturbações hormonais ou recorrer a uma técnica de diagnóstico (luz de Wood) para revelar a profundidade das manchas.
Importa também saber que a capacidade de produzir melanina nas células da pele não é igual para todas as pessoas: as que têm tez mais escura (fototipo 3 a 5) têm mais tendência a reagir com sobreprodução de pigmento sempre que a pele é agredida e estão mais sujeitas a ter manchas escuras, do que as pessoas de pele muito clara de origem.



Como eliminar as manchas
Consoante os 3 fatores principais apontados (causas, fototipo de pele e exposição solar) o dermatologista deve elaborar um plano terapêutico adequado ao problema. São vários os tratamentos empregues – peelings, mesoterapia, microneedling, crioterapia, luz intensa pulsada e terapêutica LASER mas, independentemente da sua maior ou menor eficácia, todos eles fazem parte de um protocolo terapêutico que inclui, obrigatoriamente, filtros protetores solares e cremes despigmentantes.
Os cremes despigmentantes médicos têm como objetivo principal inibir a produção de melanina pelos melanócitos. Para isso, têm na sua composição substâncias capazes de inibir enzimas importantes na cadeia de fabrico da melanina. Contêm vários químicos como a hidroquinona, o ácido azelaico, o ácido kójico, a arbutina e os retinoides. O mais potente e conhecido há mais de 50 anos é a hidroquinona. A sua eficácia é diretamente proporcional à sua concentração no creme e concentrações altas devem ser unicamente prescritas por dermatologista.
A técnica peeling corresponde à aplicação de um líquido químico na pele com o objetivo de promover o “pelar” da camada superficial da pele e, com isso, remover parte do pigmento nela depositado, promovendo o aclarar da mesma. A intensidade da descamação e profundidade do peeling dependerá do produto químico utilizado. Peelings médios e profundos são da estrita competência de médicos treinados na técnica peeling.
Na mesoterapia e na técnica de microneedling (microagulhamento) o objetivo é de aplicar substâncias despigmentantes nas camadas mais profundas da pele (derme) de forma a inibir mais profundamente a capacidade de produção de melanina. Recorre-se a microinjeções e/ou a aparelhos elétricos de micropunção sob anestesia tópica e são necessárias várias sessões.
Na crioterapia destrói-se a melanina e os melanócitos pela aplicação de azoto líquido. É muito eficaz para manchas pequenas localizadas mas é necessário treino para não provocar uma despigmentação total definitiva ou uma cicatriz.
Os aparelhos LASER e IPL são muito eficazes para manchas superficiais, simples e de envelhecimento cutâneo. Ajudam a aclarar as manchas ou a eliminá-las pontualmente, melhorando igualmente a textura da pele. Em geral, são necessárias várias sessões mas os resultados são francamente encorajadores, com rejuvenescimento global da face. Infelizmente, nem todas as manchas poderão ser tratadas com estes equipamentos e algumas até pioram sob a ação da energia IPL ou LASER, como acontece frequentemente com os melasmas.
É normal os dermatologistas recorrerem a mais do que uma técnica de forma a potenciar os resultados. E em todas as situações os filtros solares são indispensáveis sabendo que algumas manchas requerem filtros solares especiais que abranjam a radiação ultravioleta em conjunto com a radiação visível e sempre com FPS 50+.
O tratamento das manchas pode ser demorado e requer paciência. Mas a satisfação de obter uma pele com menos manchas é enorme. Visite o seu dermatologista estético.

Artigo mais recente
Artigo mais antigo

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0