Crudivorismo: A dieta dos alimentos crus

Crudivorismo: A dieta dos alimentos crus

Não só é uma dieta que exclui todos os alimentos de origem animal, como inclui apenas alimentos crus que não sofreram qualquer tipo de processamento. Será que conseguia viver desta forma? Pode parecer difícil mas, a verdade é que há cada vez mais crudívoros em todo o mundo.

Nutricionista Coordenadora da Unidade de Nutrição Hospital Lusíadas Lisboa

O crudivorismo é uma prática vegetariana, contudo o hábito de consumir alimentos crus advém desde os primórdios da humanidade. A confeção dos alimentos apenas se iniciou a partir da descoberta do fogo e, desde então, a evolução das técnicas de confeção não cessou.
O crudivorismo é uma dieta que inclui alimentos crus e não processados, como frutos, vegetais e legumes, frutos secos e leguminosas, e exclui qualquer alimento de origem animal, como carne, peixe, laticínios e ovos.
Embora exista uma corrente crudivorista que aceita a inclusão de alimentos de origem animal, como o peixe, o verdadeiro crudivorismo baseia-se apenas no consumo de alimentos de origem vegetal crus, em estado natural e sem qualquer tipo de processamento.
Habitualmente, este regime alimentar é adotado por duas grandes razões: ética e saúde. O crudivorismo apresenta ainda a vantagem de ser uma alternativa económica. As frutas e vegetais devem ser biológicos e, efetivamente, podem ser mais caros mas, o que se poupa na carne, no peixe e até na eletricidade e no gás para confecionar, compensa largamente essa opção.


O porquê da comida crua
Os seguidores do crudivorismo defendem que ao cozinhar os alimentos destruímos as propriedades nutritivas, como as enzimas, os minerais e as vitaminas. De facto, as enzimas presentes nos alimentos são sensíveis ao calor, isto é, são desativadas pela ação do calor. Segundo Howell (1985), temperaturas de 47,7ºC, durante 30 minutos, destroem todas as enzimas presentes nos alimentos. Estas enzimas têm vindo a ser descritas como estimuladoras do processo digestivo, minimizando, deste modo, a produção das enzimas digestivas, reduzindo o trabalho do pâncreas e o gasto energético da digestão. Ou seja, contribuem para a preservação do organismo.
Por outro lado, encontra-se descrito na literatura um processo conhecido como leucocitose digestiva, que se caracteriza pelo aumento de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue após uma refeição, processo que pode ser diminuído com a ingestão de alimentos crus ou pouco confecionados. Neste sentido, o crudivorismo auxilia na preservação do sistema imunológico.
Ainda no âmbito dos potenciais benefícios do crudivorismo, os vegetais e os legumes crus, pela concentração de minerais que apresentam, influenciam o equilíbrio ácido base da dieta e, deste modo, o equilíbrio dos sistemas-tampão do organismo (manutenção do pH ideal sanguíneo).

Está na moda?
A prática de incluir alimentos crus na dieta diária está a ganhar adeptos um pouco por todo o mundo. Contudo, é pouco provável que os adeptos do crudivorismo recebam a quantidade ideal de proteína de que necessitam, já que não só não consomem alimentos de origem animal, como também cereais e leguminosas que careçam de cozedura, sendo estes últimos as fontes de proteína por excelência da maioria dos vegetarianos. Uma boa alternativa é, por exemplo, o grão-de-bico colocado em água e deixado a escorrer 8 horas. Se for deixado 12 horas ao ar, brota e dá origem à semente germinada, podendo ser consumida como boa fonte de proteína que é!
De ressalvar ainda que, existem alimentos que apresentam maiores benefícios nutricionais quando são confecionados. É o caso dos carotenoides, substâncias benéficas que dão à cenoura a sua cor laranja ou, por exemplo, o licopeno, uma vez que o organismo consegue mais riqueza do licopeno proveniente do tomate cozinhado do que do tomate cru.
Embora a dieta crua também seja utilizada em dietas de desintoxicação, vulgarmente designadas por detox, devendo ser sempre por um determinado período e com acompanhamento, é fundamental que haja um equilíbrio entre a ingestão de alimentos crus e cozidos, adequando as proporções de cada um na alimentação.


É saudável?
As regras pouco flexíveis de quem segue este regime alimentar leva a que muitos dos seus seguidores, por vezes, apresentem carências nutricionais. O organismo necessita de nutrientes, tais como vitaminas, proteínas, fibras, entre outros, pelo que a alimentação deve ser completa, variada e equilibrada.Se pretende iniciar-se no regime crudívoro é importante que faça uma lista de alimentos que pode consumir, para que consiga ter uma alimentação bem variada com o maior número possível de alimentos.
Um outro conselho é primeiramente experimentar o alimento cru ao invés de eliminar totalmente o alimento confecionado, uma vez que nem sempre o sabor é agradável e a vontade de aderir a um regime desta natureza pode desvanecer-se rapidamente.
A gordura, ainda que em doses moderadas, é muito importante para a saúde. Certifi que-se da existência de gorduras vegetais nos alimentos crus que escolher consumir.
Por outro lado, não se esqueça que o apoio de um dietista/nutricionista para aconselhamento é fundamental, especialmente para quem adota este tipo de alimentação. É importante que tenha informação para que se alcancem níveis de B12, cálcio, vitamina D, zinco, ferro e ómega 3. A partir do momento em que se tornar crudívoro, escreva um diário do seu consumo alimentar. Assim, poderá perceber com exatidão se o regime alimentar está a ser o mais adequado para si junto de um nutricionista/ dietista.

Os princípios do crudivorismo significam consumir:
– Os alimentos como a natureza nos oferece, sem qualquer processamento
– Sempre que possível, alimentos de origem biológica, isentos de químicos
– Somente aquilo que temos vontade, na quantidade que o corpo pede e quando sentimos fome

A minha sugestão
Sushi Crudívoro

Ingredientes:
– 1 pimento vermelho cortado em palitos
– 1 cenoura cortada em palitos finos
– ½ cebola nova laminada
–  manga cortada em palitos
– 3 limões – Sumo
– 4 colheres de sopa de linhaça moída
– 2 colheres de sopa de cânhamo
– 2 mãos de folhas de espinafre baby cortadas
– 4 folhas de algas Nori

Preparação:
Misture a cebola laminada, o sumo dos três limões, os espinafres e as sementes até obter uma pasta.
Coloque um pouco da pasta por cima de cada folha de algas Nori, acrescente os pimentos, a manga e a cenoura, e enrole. Corte cada rolinho em rodelas e obtenha um sushi vegetariano e crudívoro!

 

 

Artigo mais antigo

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0