Amigos de 4 patas

Amigos de 4 patas

Sabia que, pelo menos, 34% dos portugueses partilham a casa com um animal de estimação?

Eles podem destruir-nos a casa, muitas vezes não nos deixam dormir e fazem-nos gastar rios de dinheiro em comida, snacks, brinquedos e veterinário. Mas no meio de tudo isto, já não sabemos viver sem eles. A prova disso é que 50% dos lares portugueses têm, pelo menos, um cão ou um gato.

Os animais domésticos fazem parte dos nossos lares desde sempre. Aquilo que começou por ser uma solução para controlar as pragas, no caso dos gatos, e para guardar o gado e as casas, no caso dos cães, rapidamente se transformou numa necessidade mas pela dedicação desses animais em relação a nós.

Um estudo realizado pela GfK, uma das maiores empresas de estudos de mercado do mundo, veio confirmar o que já suspeitávamos: nós adoramos animais, especialmente cães e gatos! Realizado com o objetivo de analisar o comportamento dos portugueses em relação a animais de estimação, o estudo concluiu que os cães continuam a ser o animal de estimação que mais predomina nos lares portugueses. No total, 34% dos portugueses partilham a casa com um ou mais cães. Já os gatos, estão presentes em cerca de 17% das casas.

Por que razão nos sentimos tão bem com os nossos animais de estimação?
De acordo com Leonor Quítalo, médica veterinária, a explicação é simples. “Quando estamos em contacto com animais, especialmente com aqueles com os quais existe uma ligação emocional mais forte, libertamos substâncias endógenas que nos fazerem sentir bem e felizes. Um estudo recente demonstrou ainda que a simples troca de olhares entre o cão e o tutor, conduz à libertação de oxitocina em ambos, o que gera um ciclo muito positivo”.

Estes motivos, só por si, ajudam a explicar a forte ligação que temos com os animais domésticos. Mas Leonor Quítalo enumera benefícios adicionais. “Viver com animais também tem uma ação calmante, antidepressiva e ainda contribui para um aumento da atividade física diária, especialmente se tivermos um cão. Outro aspeto que importa referir é que o contacto desde cedo das crianças com animais, diminui o risco de desenvolverem alergias no futuro”.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0