Alimentação saudável no Natal: Será possível?

Alimentação saudável no Natal: Será possível?

Estamos quase no Natal e, por mais que tentemos, é impossível resistirvàs iguarias tão típicas desta época. Saiba, no entanto, que isso não tem de ser o fim do mundo nem arruinar-lhe por completo a linha. Confie em mim e siga os meus conselhos para um Natal doce quanto baste.

Com o aproximar do mês de dezembro, as ruas ganham uma iluminação especial, as montras enchem-se de possíveis prendas à espera de ser compradas por uns e recebidas por outros, e as pastelarias ganham vida com os típicos doces de Natal. Afinal, quem não gosta desta época? Poucos, sem dúvida. Para a maioria das pessoas, o Natal é a altura em que é normal sentirmos uma sensibilidade especial e até uma certa alegria interior, com recordações que, muitas vezes, nos levam para trás no tempo rumo à infância. Nesta altura, temos uma predisposição especial para nos juntarmos com os amigos e, principalmente, com a família. E, claro está, como bons mediterrânicos que somos, quando fazemos estas reuniões familiares e de amigos, há sempre um denominador comum: A comida! E não é propriamente a comida mais saudável.



Jantares, doces e muitas calorias
Em resultado dos muitos jantares e festas que organizamos neste período, também é normal sentirmos frequentemente que estamos mais pesados e com a digestão dificultada. Nada mais normal se tivermos em conta que passamos longas horas sentados à frente de mesas com comidas que além de serem muito mais calóricas e de difícil digestão do que as que habitualmente comemos, são irremediavelmente acompanhadas de doçaria própria da época, como os sonhos, as filhós, o bolo-rei e o inesquecível toucinho-do-céu que me acompanha mesmo quando vou passar as festas a Espanha. E, se a tudo isto ainda juntarmos as bebidas alcoólicas e os refrigerantes, não é difícil imaginar as muitas calorias extra que ingerimos nesta altura.
É curioso como nesta época do ano nos lembramos de alimentos que no resto do ano não nos dizem nada. Possivelmente, tem a ver com memórias da nossa infância e com a capacidade de associação do nosso cérebro. Eu, assumo, no início de dezembro começo a pensar em torrão e em mantecados, os dois doces de Natal mais típicos de Espanha, mas também em sonhos e em toucinho-do-céu, os doces natalícios que me acompanham desde a minha chegada a Portugal. Este Natal faz 32 anos mas, parece que foi ontem! Contudo, no resto do ano, mesmo que os veja à venda, o que hoje é frequente, não me dizem quase nada mas, nesta época que se aproxima, reconheço que tenho sérias dificuldades em conseguir comer “só um bocadinho”. Mas, enfim, vamos pôr as saudades de lado e vamos procurar alternativas mais saudáveis. É perfeitamente possível e, como vão perceber, o resultado pode ser fantástico.

Truques para ingerir menos calorias
Classicamente, enchemos as mesas com travessas de doces natalícios típicos com percentagens de gordura e de açúcar tão altos que se comermos de todos, numa só noite consumimos a quantidade de calorias que devíamos consumir ao longo de um mês. Mas, não tem de ser assim. A solução passa por preparar entradas que nos agradem, sejam saciantes e, simultaneamente, sejam menos calóricas. Prepare pratos à base de frutos secos variados, como amêndoas, nozes, pistácios e castanhas, fruta desidratada de diferentes cores (lembre-se que os olhos também comem), nomeadamente, rodelas de pera, maçã, banana, entre outros. Se preferir, prepare uma mistura de frutos secos e frutos desidratados. O coco e o ananás misturados com amêndoas são uma opção deliciosa mas, neste caso, a sua imaginação é o limite.
O meu fruto seco preferido desta época do ano é, sem dúvida, a castanha. Para além da componente emocional – a própria castanha faz-nos lembrar do Natal – é muito rica em hidratos de carbono, tem pouca gordura (e a que tem é saudável), possui fósforo e vitamina B, e pode ser usada como snack, sobremesa ou até decoração.
Se achar que uma entrada à base de frutos secos e fruta desidratada não é suficiente, recorra aos vegetais crus, como a cenoura, cortados em tiras finas, ou brócolos, couve-flor, entre outros, que poderá molhar numa mistura de iogurte natural e mostarda. Desta forma, provavelmente, terá entradas suficientemente apetitosas.
A seguir às entradas deve optar por um prato líquido, por forma a ter menos apetite quando chegar a altura de comer o prato principal. Pode ser uma sopa fria, tipo vichyssoise, ou um creme de legumes que, graças às suas fibras, não só tem um efeito saciante, como garante a ingestão de parte considerável das necessidades diárias de vitaminas e minerais. A clássica sopa de peixe continua a ser uma alternativa igualmente interessante.
Se não apreciar sopa, não se preocupe. Opte por umas espetadas com rodelas de tomate e mozzarella, temperadas com molho pesto e umas folhas de manjericão.

Prato principal – Todo o sabor e muito menos calorias
Na hora de fazer o prato principal, use o forno. Quando cozinhamos no forno conseguimos manter todos os nutrientes respeitando as suas propriedades e ainda conservamos o sabor original. Escolha carnes magras e saudáveis, como a de peru e a de frango, ou peixes como o amigo destas épocas – o bacalhau. No forno pode preparar a receita de Frango no Forno com Citrinos, a Dourada com Sal, o Bacalhau Assado, uma Lasanha Vegetariana ou até um Pastel de Perdiz.
Na altura de cortar nas calorias, lembre-se dos molhos. Deve evitá-los ao máximo mas, quando não for possível, recorra aos molhos frutados. Eu, por exemplo, gosto muito do molho vinagrete mas, a minha receita é um bocadinho diferente das comuns: Num recipiente de vidro, coloco vinagre balsâmico com pequenos pedacinhos de cebola picada. Deixo marinar durante uns minutos e passado um pouco adiciono uma parte de azeite de oliveira, misturo e tempero a salada. Fica fantástico!
Para os legumes assados – quanto mais variedade tiver, mais atrativos são – uso o molho que sugeri para as entradas, à base de iogurte magro natural e mostarda (mais ou menos quantidade, dependendo do gosto). Além do sabor muito bom, fica com um aspeto muito apetecível.

Quem disse que as sobremesas são proibidas?
Natal sem sobremesas, não é Natal! Claro que as minhas sugestões talvez não sejam exatamente o que deseja, mas são, pelo menos, as mais saudáveis.
A primeira alternativa para adoçar os seus jantares de Natal é fruta laminada e variada. Se a fruta não for suficientemente doce e apelativa, pode preparar outra sobremesa. Em recipientes individuais de vidro transparente, adicione iogurte magro de aromas ou de pedaços e junte-lhe frutos do bosque variados. Tente colocar os frutos do bosque a toda a volta para serem visíveis do exterior, alterne camadas de iogurte com finas camadas de nozes e finalize com pepitas de chocolate preto. Esta sobremesa, além de saudável e nutritiva, é bastante atrativa. Se em vez de pepitas de chocolate colocar flocos de aveia, esta sobremesa transforma-se num excelente pequeno-almoço com todos os nutrientes necessários para o começo do dia.
Na altura das refeições, lembre-se que pode acompanhá-las com um copo de vinho tinto, já que é uma bebida rica em resveratrol com propriedades antioxidantes e antienvelhecimento. Na hora de brindar, também poderá fazê-lo com uma taça de espumante que é uma bebida com baixo teor alcoólico muito associada a esta época do ano.
E claro, não vem mal nenhum ao mundo se selecionar de entre os doces tradicionais, aquele que mais gosta e comer um bocadinho. Um dia não são dias e se caminhar um pouco a seguir, facilmente elimina essas calorias-extra. O que claramente deve evitar é ter em casa grandes travessas de doces tradicionais variados porque, já sabe, cada vez que passar por elas, várias vezes por dia, vai comer alguma coisa. Mas, não se esqueça do exercício físico! O ideal é fazer caminhadas, em qualquer lugar e a qualquer hora. Quando andamos tornamos o nosso coração mais saudável e ainda queimamos calorias.
Agora só me falta desejar um Feliz Natal e que seja, simultaneamente, alegre, saboroso e saudável!

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0